MENSAGEM DA PRESIDÊNCIA DA ÁREA

    A Geração em Ascensão e a Preparação para a Missão  

    Congo Missionaries

    'Ao olharmos para o futuro da Igreja em África, sua força não será encontrada na qualidade de seus edifícios, mas nos testemunhos de seus membros e em nossa disposição de mostrar nosso amor e gratidão a Deus servindo humildemente aos outros.'

    No Plano de Área 2018, todos nós estamos convidados a ajudar a preparar melhor a geração em ascensão para servir com sucesso as missões de tempo integral. É nosso desejo que todo jovem digno e capaz sirva uma missão fiel e que muitas de nossas jovens também decidam servir. Também esperamos que muitos membros mais velhos comecem a preparar-se para o tempo em que podem servir a missões seniores. Especialmente quando ajudamos a crescente geração a preparar-se para o serviço missionário, lembremo-nos dos seguintes princípios.

    1. A importância da GRATIDÃO:

    Recentemente, a irmã Palmer e eu nos reunimos com todos os missionários que serviam em Madagáscar. Foi uma época de alegria quando eles estavam voltando para uma terra e um povo que amavam depois de uma ausência prolongada. Em novembro de 2017, os missionários foram evacuados de Madagáscar depois de um surto severo da peste bubônica e pneumônica, então nós encontramos com eles logo após o seu retorno. Esses maravilhosos missionários sentiram gratidão por mais uma vez estar servindo onde foram originalmente designados e entre os membros que haviam valentemente mantido a obra missionária sem eles. Eles também estavam gratos por terem conseguido continuar servindo enquanto estavam alocados em outras missões. Esses missionários entendem de uma maneira muito real que é um privilégio e uma bênção ser um missionário de tempo integral.

    Por que a gratidão é tão importante? Quando os missionários retornam para casa cheios de gratidão pelo privilégio de ser missionário, reconhecerão que, graças a todos os recursos da Igreja (incluindo presidentes de missão que saíram de casa e de emprego para orientá-los e ensiná-los), aprenderam a estabelecer metas, trabalho árduo e assumir responsabilidade pessoal pelo bem-estar espiritual e temporal. Se eles são humildes e gratos, eles nunca voltarão para casa com a falsa idéia de que agora a Igreja lhes deve alguma coisa. E, ao servirem com toda a sua força, mente e força, aprenderão a simples verdade para o resto de suas vidas que, à medida que se perderem em serviço aos outros, se encontrarão. Eles, como o rei Benjamim, saberão que, por mais que o sirvam, estarão sempre em dívida com o Senhor. (Mosias 2:20-22, 34).

    2. A importância do SACRIFÍCIO:

    Em todo o mundo, temos missionários, jovens e idosos, que fazem grandes sacrifícios pessoais para servir ao Senhor. Este sempre foi o caso na história da Igreja. Em sua desesperada pobreza, e no meio de uma terrível perseguição, os primeiros membros do Quórum dos Doze foram ordenados a deixar suas esposas e filhos em casa e partir para Far West, Missouri, para missões nas Ilhas Britânicas e outras partes distantes do mundo. Como resultado desse enorme sacrifício pessoal, a fé desses primeiros líderes foi certamente fortalecida, e foi lançada uma base que permitiu que a Igreja começasse a prosperar quando os conversos da Europa começaram a unir-se a Sião. (D & C 112)

    Nossos missionários de hoje também são solicitados a fazer sacrifícios pessoais significativos, poupando recursos para o custo de suas missões, deixando para trás a família e todos os outros assuntos pessoais e vivendo uma vida consagrada “com os olhos fitos na glória de Deus”. vinte e quatro meses.

    Para garantir a equidade em toda a variedade de missões, jovens missionários e suas famílias em todo o mundo são convidados a contribuir com um custo fixo equivalente a 400 dólares (Americanos) por mês para o custo de uma missão (incluindo moradia e um subsídio modesto para alimentos e despesas essenciais). Quando um missionário e sua família tiverem sacrificado e feito todo o possível para contribuir com esse custo, se ainda houver um défice, o bispo incentivará a ala e os quóruns a auxiliar e também poderá solicitar ajuda de fundos contribuídos por outros membros ao fundo missionário geral.

    Em uma reunião recente com líderes do sacerdócio em Kinshasa, na República Democrática do Congo, o Élder David A. Bednar foi questionado por um bispo sobre o sacrifício de possíveis missionários. Sua resposta inspirada foi: “Esses rapazes e moças devem ser preparados de tal maneira que sintam gratidão por toda a vida pelo privilégio e oportunidade que lhes foi dado pela Igreja para servir em uma missão. Eles devem sacrificar o suficiente para que este seja o resultado. Não há uma quantia fixa e toda situação é diferente. É por isso que os bispos recebem o dom do discernimento ”.

    Recentemente, encontrei um jovem missionário que é um grande exemplo do sacrifício e gratidão que o Élder Bednar descreve. O Élder Rabemananjaina da cidade de Toamasina em Madagáscar e é um recém-converso e foi o único a unir-se à Igreja na sua família. Depois de sua conversão, ele desejou servir uma missão e discutiu isso com o seu presidente do ramo e distrito. Embora tenha sido fácil para o presidente do ramo simplesmente submeter os papéis da missão do jovem convertido ansioso, uma vez que ele expressasse o desejo, esses sábios líderes ensinaram ao bom rapaz a importância de fazer um sacrifício pessoal significativo de tempo e dinheiro. Então, eles concordaram numa meta pessoal de quanto ele ganharia antes de enviar seu pedido de missão. Ele então diligentemente e de bom grado passou o ano seguinte trabalhando duro em vários trabalhos e conseguiu economizar o dinheiro necessário para atingir a meta. A mãe do Élder Rabemananjaina não é membro da Igreja, mas tem muito orgulho de seu filho e sabe o quanto trabalhou para o privilégio de servir ao Senhor em sua missão. Quando o presidente da missão a visitou após um ciclone devastador que danificou seriamente sua casa, ele ficou profundamente comovido ao ver que uma de suas restantes posses de valor era uma cópia do Plano de Área orgulhosamente exibido na parede ao lado de uma foto de seu filho missionário.

    Esse missionário bem preparado não hesitou quando seus líderes do sacerdócio lhe disseram que precisava esperar e trabalhar para demonstrar um sacrifício significativo pelo privilégio de servir o Senhor. Agora ele está cheio de entusiasmo e gratidão por estar compartilhando o evangelho de Jesus Cristo em seu próprio país.

    3. A importância da CONSAGRAÇÃO e a INTEGRIDADE.

    Ocasionalmente ouvimos falar de missionários, ou das famílias de missionários, que entendem mal os propósitos de uma missão e, em vez de encarar esse chamado como um tempo para 'Dar e Servir', vêem como um momento para 'Receber e Levar'. Em vez de reconhecer uma missão como serviço consagrado, eles erroneamente pensam nela mais como um emprego e podem até mesmo usar desonestamente as concessões para ganho pessoal comprando itens não aprovados, como telefones, câmeras ou computadores, ou enviando dinheiro para as famílias. Infelizmente, alguns até poupam parte do subsídio de missão para uso após a missão. Mas o subsídio de vida recebido por todo missionário provém de fundos sagrados e preciosos do dízimo e deve ser usado apenas conforme especificado no manual do missionário. Como qualquer missionário poderia tomar “a oferta da viúva” para seu próprio uso egoísta, enquanto ao mesmo tempo ensinava aos pesquisadores a importância da obediência? O Livro de Mórmon condena qualquer prática desse tipo na linguagem mais forte possível: “Artimanhas sacerdotais; pois eis que artimanha sacerdotal é o homem pregar e estabelecer-se como uma luz para o mundo, a fim de obter lucros e louvor do mundo; não procura, porém, o bem-estar de Sião. Eis que o Senhor proibiu isto;... Mas o trabalhador de Sião trabalhará por Sião; porque, se trabalharem por dinheiro, perecerá ”. 2 Néfi 26:29-31

    Somos muito gratos por muitas das novas gerações aqui em África que se prepararam fielmente para servir ao Senhor como um dos Seus missionários. Agora temos quase tantos missionários servindo da Área Sudeste da África como servindo na Área. Cada um desses missionários tem sua própria história de sacrifício e preparação. A maioria é humilde e obediente, fiel e trabalhador. Muitos têm famílias que não são membros e são recém-conversos, mas quando voltam de suas missões cheios do fogo do testemunho, estamos confiantes de que continuarão a servir na Igreja, casarão no templo e estabelecerão lares centrados no evangelho.

    4. O exemplo importante dos PAIS e AVÓS que também prepararam-se para servir.

    Também estamos agradecidos por ver muitos de nossos membros fiéis preparando-se para servir em missões como sênior nos templos e missões em toda a Área. Com quatro novos templos anunciados, ou em construção em nossa área, a necessidade é grande e não devemos mais depender de casais idosos vindos de outros continentes. Os missionários locais trazem uma compreensão das culturas e línguas locais que os tornam servos especialmente eficazes do Senhor. Missionários sêniores africanos servindo em África também fornecem um exemplo poderoso para filhos e netos sobre a importância de servir o Senhor, mesmo quando isso envolve grande sacrifício.

    O Élder e a Irmã Rakotovao são um casal encantador e dedicado, que são nativos de Madagáscar e não conseguem parar de sorrir enquanto servem o Senhor como missionários sênior na cidade de Ansirabe, Madagáscar. Quando eles juntaram-se à Igreja, dezessete anos atrás, eles já eram casados e eram velhos demais para servir como jovens missionários. Mas agora eles estão mostrando ao Senhor sua gratidão, servindo sua terceira missão como casal sênior. Em 2010, eles venderam suas terras e tudo em sua casa para que pudessem servir como missionários sêniores no templo de Joanesburgo. Dessa experiência, eles disseram recentemente: “Servir no templo é servir aos outros. Enquanto servíamos aos outros, sentíamos como se estivéssemos servindo a Nosso Senhor Deus. É esse sentimento forte em nós que nos impulsiona a servir uma missão novamente. ”E assim, depois de servir fielmente no templo por dois anos, eles voltaram para casa e começaram a preparar-se para mais uma missão. No início deste ano, eles mais uma vez deixaram sua casa em Antananarivo para servir onde for necessário sob a direção do presidente da missão. Eles são gratos por serem missionários na igreja do Senhor e são uma inspiração para todos os Santos dos Últimos Dias, pois eles servem à sua terceira missão de casal sênior com grande devoção e sacrifício pessoal.

    5. O importante exemplo de MISSIONÁRIOS RETORNADOS que continuam a SERVIR e SACRIFICAR

    Os missionários que retornaram e que serviram com sucesso como missionários consagrados voltam para casa cheios de fé e testemunho e uma poderosa conversão do evangelho de Jesus Cristo. Eles experimentam a “poderosa mudança de coração” descrita por Alma. Eles então se tornam grandes bênçãos para suas famílias e alas, pois exemplificam os ensinamentos do Senhor de que “Quando te converteres, fortalece teus irmãos” e “Onde muito é dado, muito é requerido”.

    A irmã Dickie é uma irmã missionária muito amada que serve na missão de Harare Zimbábue. Sua experiência é uma história de como as gerações são abençoadas pelo sacrifício, gratidão e consagração na preparação para missão. Quinze anos atrás, enquanto lutava para sustentar a sua família, ela ajudou financeiramente o seu filho, Freeman, enquanto ele servia uma missão em Quênia, Nairóbi. Todo mês, seu presidente de estaca, Eddie Dube, fazia check-in com ela para ver se ela estava gerindo bem a sua situação enquanto fazia contribuições mensais. Ela simplesmente lhe dizia que estava agradecida pelas muitas bênçãos que recebia enquanto apoiava um missionário. Seu filho, que contribuiu com o que pôde, também sentiu gratidão pelos sacrifícios muito reais feitos por sua mãe. Agora, muitos anos depois, este filho missionário retornado, Freeman Dickie, serve como presidente de estaca na Beira, Moçambique. E desta vez é Freeman Dickie e seu irmão e sua irmã que estão contribuindo de bom grado e feliz para o custo do serviço missionário de sua querida mãe enquanto ela amorosamente consagra seu tempo e esforço. Este é um exemplo maravilhoso de como, quando os missionários e suas famílias contribuem de maneira significativa para suas missões, eles voltam para casa cheios de gratidão, reconhecendo que é um privilégio ser um dos missionários do Senhor. Então eles alegremente servem em chamados e voluntariamente sacrificam-se ajudando outros membros da família, ou contribuindo para a ala ou fundo missionário geral, para que outros possam receber as mesmas bênçãos de servir uma missão que eles tanto apreciaram.

    Deste modo, gerações futuras de missionários que retornam podem evitar o Ciclo do Orgulho mencionado no Livro de Mórmon, substituindo o orgulho pelo serviço humilde e gratidão. Nós poderíamos chamar isso de Ciclo da Gratidão.

    CONCLUSÃO

    Que cada um de nós considere como podemos ajudar a nos preparar e aos nossos filhos e os jovens de nossas alas e ramos para servir com êxito as missões. O antigo provérbio, “É preciso uma aldeia para criar um filho”, pode ser mudado para “É preciso uma ala ou ramo para preparar um missionário”. Ao olharmos para o futuro da Igreja em África, sua força não será encontrada na qualidade de seus edifícios, mas nos testemunhos de seus membros e em nossa disposição de mostrar nosso amor e gratidão a Deus servindo humildemente aos outros.