MENSAGEM DE LÍDER LOCAL DO SACERDÓCIO

“Seguir o Profeta Aumenta a Fé”

The First Presidency (Nelson, Oaks, Eyring)

“Acreditar em um profeta vivo ajuda-nos a estabelecer o evangelho em nossos corações em um firme alicerce. Esse conhecimento é desenvolvido através da fé e do trabalho árduo.”

Quando entrei no campo missionário, o meu testemunho de profetas vivos ainda estava em terrenos instáveis. Tudo mudou em pouco tempo enquanto na missão. Fomos convidados a uma conferência de zona e disseram-nos que o Élder Neal A. Maxwell do Quórum dos Doze estaria de visita. Antes da conferência, o presidente da missão pediu-nos que preparássemos bem para essa visita. Incluído naquela preparação, era praticar o hino #9 “Graças damos, ó Deus, por um Profeta”. Também disseram-nos que quando ele entrasse na capela, todos deviam levantar-se e cantar este hino. De facto, o dia chegou. Eu estava sentado no assento do corredor. O presidente da missão liderava a delegação quando entraram na capela. Nós levantamo-nos e cantamos bem alto: “Graças damos, ó Deus, por um Profeta”. Enquanto o Élder Maxwell passava para o pódium, o espírito era muito forte e testificou-me que, o homem no púlpito era de facto um profeta, um vidente e um revelador. Essa confirmação recebida em 1985, foi uma grande benção para mim ao longo do tempo.

Aqui estão alguns exemplos de como o conhecimento de profetas vivos abençoou a minha vida. Em 2001, o presidente Hinckley deu o seguinte conselho aos membros da Igreja:

“Ocasiões deste tipo (tempos económicos difíceis 1) levam-nos a perceber de forma penetrante que a vida é frágil, a paz é frágil, a própria civilização é frágil. A economia é particularmente vulnerável. Fomos aconselhados repetidas vezes sobre a autossuficiência, em relação à empréstimos, em relação à poupança. Muitas pessoas estão endividadas com coisas que não são totalmente necessárias. Quando eu era jovem, meu pai aconselhou-me a construir uma casa modesta, suficiente para as necessidades da minha família, e torná-la bonita e atraente, agradável e segura. Ele aconselhou-me a pagar a hipoteca o mais rápido possível para que, venha o que viesse, teria um teto sobre a cabeça da minha esposa e filhos. Eu fui criado nesse tipo de doutrina. Exorto-os como membros desta Igreja a livrarem-se de dívidas sempre que possível e a terem um valor monetário guardado de lado para os dias chuvosos.”2

Como um marido e pai jovem, escutei cuidadosamente o conselho. Posso escrever um livro sobre como este conselho abençoou-me a mim e  a minha família, ao longo dos anos.  Eu sou professor de profissão, o que significa que minha renda é limitada, mas o conselho do presidente Hinckley abençoou muito a nossa família. Nós não somos ricos, mas foi-nos concedido as necessidades básicas da vida, simplesmente evitando dívidas.

 Em Agosto de 2005, o presidente Gordon B. Hinckley lançou um desafio a todos os membros da Igreja:  “Ofereço um desafio aos membros  da Igreja em todo o mundo e aos nossos amigos em todos os lugares para lerem ou relerem o Livro de Mórmon. Se você ler um pouco mais do que um capítulo e meio por dia, você poderá terminar o livro antes do final deste ano.”3

Como família, aceitamos o convite. Sabíamos que veio de um profeta vivo. O espírito da veracidade do livro aumentou entre os membros da nossa família. Além de apenas terminar o livro, novas idéias sobre as doutrinas e princípios contidos no Livro de Mórmon foram reconfirmadas.

As bênçãos vêm porque alguém tem fé de que os profetas modernos falam a mente e a vontade do Pai Celestial. Estes profetas foram colocados na Terra para nos guiar. A história de Naamã registada em II Reis 5 conta da tragédia que pode resultar de não seguir os profetas vivos. Naamã tinha lepra e queria ser curado. O profeta do seu tempo pediu-lhe: “Vá e lave no Jordão sete vezes”. Uma promessa dada foi a seguinte: “Tua carne será curada, e ficarás purificado”. Decepcionado porque o profeta não saiu e invocou o nome do Senhor, ele não seguiu o conselho. Ele ficou indignado e saiu sem a cura esperada.

Acreditar em um profeta vivo, ajuda-nos a estabelecer o evangelho em nossos corações em um firme alicerce. Esse conhecimento é desenvolvido através da fé e do trabalho árduo. Sou grato por ter esse conhecimento e reconheço as benções associadas a esse conhecimento. ◼

 NOTAS 1. Grifo do autor. 2. Gordon B. Hinckley, “Os Tempos em  que Vivemos,” A Liahona, janeiro de  2002, 83. 3. Gordon B. Hinckley, “Um Testemunho Vibrante e Verdadeiro,” A Liahona, agosto de 2005, 3.